Archive for abril, 2008


Ouçam Lura. Pura beleza crioula, com uma voz que não cabe nela.

Lura é uma cantora cabo-verdiana, nascida em Lisboa . Seu envolvimento com o meio artístico começou cedo, com participações em projetos teatrais e corais, mas sua carreira como cantora despontou em 1996, aos vinte e um anos, quando gravou seu primeiro álbum, cuja canção título, Nha Vida, foi um sucesso imediato que lhe rendeu um convite para participar do importante projeto discográfico Red Hot + Lisbon, o qual reuniu grandes nomes da música lusófona. Em1998, acompanhou Cesária Évora, o maior nome da música caboverdeana, em dois importantes projetos: abriu os espetáculos daquela cantora na Expo’98 e participou, em Paris, da série de concertos do projeto ‘Cesária & friends’.

Tendo aprendido o crioulo caboverdeano de seus colegas de escola e de seus familiares, em pouco tempo Lura já era capaz de falar fluentemente e também compor nessa língua-símbolo de Cabo Verde, que hoje a cantora considera como sendo sua língua materna. Em 2002, lançou seu segundo álbum, ‘In Love’, e em novembro de 2003, Lura foi uma das três cantoras escolhidas para o projeto Women of Cape Verde, uma série de concertos realizada no Reino Unido, o que lhe rendeu convites e o lançamento de seus álbuns em diversos países europeus.

Em 2006 lança o album M´bem di fora, bastante aclamado na sua apresentação a 7 de novembro do mesmo ano no clássico Tivoli, uma sala de espetáculos referência de Portugal, em Lisboa. Uma obra mais sóbria onde a artista revela uma maior maturidade musical, conseguindo imprimir o seu cunho pessoal a temas de diversos compositores, onde se destaca o nome de Toy Vieira, director artísco do projecto e compositor de alguns de algumas das suas músicas. Segundo a cantora, é uma homenagem aos migrantes que vem do interior em busca de oportunidades nos grandes centros urbanos. A turnê do álbum incluiu concertos na Turquia, Alemanha, França, Brasil, Espanha, Austrália e Itália.

P.S. Agradecimentos à amiga Lidiane B. que me apresentou esta ótima e bela cantora.

Di Korpu Ku Alma – 2005

Músicas:

01. Tabanka Assigo (Tcheka)
02 NA RI NA (Orlando Pantera/Orlando Pantera)
03. VAZULINA (Zoi)(Orlando Pantera/Orlando Pantera)
04. NHA VIDA (Lura)
05. ÊS BIDA (Orlando Pantera)
06. TÓ MARTINS (Katchas)
07. BATUKU (Orlando Pantera)
08. PADOCE DE CÉU AZUL (Valdemiro Ferreira)
09. OH NÁIA (Lura)
10. SÓ UM CARTINHA (Lura)
11. RABOITA DI RUBON MANEL (Orlando Pantera)
12. TEM UM HORA PA TUDE (Lura – Fernando Andrade)

Som Negro para você!

M´Bem di Fora – 2006

Musicas:

1. Bida Mariadu (Lura – Toy Vieira/Toy Vieira)
2. Ponciana (Tibau Tavares)
3. Romaria (Toy Vieira)
4. No bem falá (tio Lino)
5. As-Água (Tibau Tavares)
6. Ês anu raboitas ka di fiansa (Aurélio Borges dos Santos)
7. M’bem di fora (Katchás)
8. Mari Ascenson (Traditional – Toy Vieira/Traditional)
9. Galanton (Rui Cruz)
10. Pensá Drêt (Edevaldo Figueiredo – Lura/Lura)
11. Festa di nha kumpadri (Toy Vieria)
12. Choro (Edevaldo Figueiredo – Lura)
13. Feitiço di funana (Don Kikas/Lura – Don Kikas)

Som Negro para você!

(Dakar, 1º de outubro de 1959) é um compositor, intérprete e músico senegalês.
Nasceu e cresceu no bairro da Medina em Dakar. Muçulmano e seguidor do sufismo, é pai de vários filhos e tinha duas esposas (Mamy Camara e Aïda Coulibaly). Em junho de 2007, divorciou-se da primeira, Mamy, com quem teve quatro filhos, depois de 17 anos de casamento.
Trabalhou com artistas de renome como Peter Gabriel, Paul Simon e o camaronês Manu Dibango.
Uma das suas canções mais famosas é Seven Seconds, que gravou com a cantora Neneh Cherry. Em 1998, compôs o hino para as fases finais da Copa do Mundo, La Cour Des Grands, que canta com a cantora belga Axelle Red. Compôs também a trilha sonora do filme de animação Kirikou e a feiticeira (1998).
Politicamente engajado, organizou em 1985 um concerto pela liberação de Nelson Mandela, no Estádio da Amizade, em Dakar. Também organizou vários concertos em benefício da Anistia Internacional. Embaixador de boa vontade para as Nações Unidas e para a UNICEF, foi também eleito embaixador embaixador da Organização Internacional do Trabalho.
Em 2004 participou do CD Agir Réagir em favor das vítimas do terremoto que atingiu a região de Al-Hoceima, no Marrocos.
Youssou N’Dour sempre se manteve fiel às suas origens e continua morando em sua cidade natal.

Rokku mi Rokka – 2007

Faixas:

1. 4-4-44 3:36
2. Pullo Àrdo 4:00
3. Sama Gàmmu 3:57
4. Bàjjan 4:03
5. Baay Faal 4:47
6. Sportif 3:25
7. Tukki 4:09
8. Létt ma 4:40
9. Dabbaax 5:09
10. Xel 4:50
11. Wake Up (It’s Africa Calling)

Som Negro para você!

Egypt – 2004

Faixas:

1. Allah 6:10
2. Shukran Bamba 5:30
3. Mahdiyu Laye 4:58
4. Tijaniyya 5:44
5. Baay Niasse 5:18
6. Bamba the Poet 3:51
7. Cheikh Ibra Fall 3:34
8. Touba – Daru Salaam 5:49

Som Negro para você!

7 Seconds: The Best of Youssou N’Dour – (1992-2004)

Faixas:

1. New Africa
2. Undecided (Japoulo)
3. Mouvement (Dunya)
4. 7 Seconds (Duet With Neneh Cherry)
5. Yo Le Le (Fulani Groove)
6. Without A Smile
7. Please wait
8. Country Boy
9. Birima
10. Ob-La-Di Ob-La-Da
11. Old Man
12. No More
13. Set
14. Oh Boy (Live)
15. Don’t look back
16. Things Unspoken

Som Negro para você!

Nothing’s In Vain – 2002

Faixas:

01. Tan bi
02. Moor Ndaje
03. Li ma weesu
04. Genne
05. La femme est l’avenir de l’amour
06. Mbeggeel Noonu La
07. Il n’y a pas d’amour heureux
08. Sagal ko
09. C’est L’amour
10. Doole
11. So Many Men
12. Yaru
13. Africa, Dream Again

Som Negro para você!

Joko from Village to Town – 2000

Faixas:

1. Wiri-Wiri
2. Birima
3. Beykat
4. Liggeey
5. My Hope Is In You
6. Don’t Walk Away
7. Please Wait
8. Mouvement (Dunya)
9. She Doesn’t Need To Fall
10. Yama
11. This Dream
12. Red Clay
13. How Come?
14. Don’t Look Back
15. Birima (Remix)
16. New Africa

Som Negro para você!

Guide (Wommat) – 1994

Faixas:

1. Leaving
2. Old Man
3. Without A Smile
4. Mame Bamba
5. 7 Seconds (Duet With Neneh Cherry)
6. How You Are
7. Generations (Diamono)
8. Tourista
9. Undecided (Japoulo)
10. Love One Another
11. Life
12. My People
13. Oh Boy
14. Silence
15. Chimes Of Freedom

Som Negro para você! – Parte 1 e Parte 2

Eyes Open – 1992

Faixas:

1. New Africa
2. Live Television
3. No More
4. Country Boy
5. Hope
6. Africa Remembers
7. Couple’s Choice
8. Yo Lé Lé (Fulani Groove)
9. Survie
10. Am Am
11. Marie-Madeleine la Saint-Louisienne
12. Useless Weapons
13. Same
14. Things Unspoken

Som Negro para você! Parte 1 e Parte 2

The Best of Youssou N’Dour – (1988-1991)

1. Set Listen
2. Shakin’ The Tree
3. Sinebar
4. Medina
5. The Lion (Gaiende)
6. Toxiques
7. Fenene
8. Miyoko
9. Bamako
10. Fakastalu
11. Bes
12. Hey You
13. Macoy oy
14. Immigres / Bitim Rew
15. Xale/Our Young People
16. Kocc Barma

Som Negro para você!

The Lion – 1989

1. Lion/Gaiende
2. Shaking the Tree
3. Kocc Barma
4. Bamako
5. Truth
6. Old Tucson
7. Macoy
8. My Daughter (Sama Doom)
9. Bes

Som Negro para você!

Badou – 1986

1. DJamil
2. Laye Fall
3. Bekoor
4. Wagane Faye
5. Nanette Ada
6. Xale Yi Rew Mi
7. Badou

Som Negro para você!

rodrigues_website.jpgA cantora baiana Virgínia Rodrigues converte o samba em clássico e faz sucesso fora do Brasil

A história da cantora baiana Virgínia Rodrigues ficou tão conhecida internacionalmente que os jornalistas americanos a apelidaram de Cinderela brasileira. Ela calha à personagem da fábula: nasceu há 39 anos em Salvador, cresceu em uma favela, abandonou os estudos aos 12 anos e trabalhou como cozinheira e manicure. Seus pais, religiosos, levaram-na à igreja ainda criança. Ali, aprendeu a cantar de ouvido e passou a se apresentar em missas e casamentos. Quando já se conformava com o destino, veio o príncipe encantado. Era um conterrâneo: Caetano Veloso. O compositor descobriu-a há nove anos, contratou-a para o casting de sua gravadora, a Natasha, investiu na moça e a converteu em diva da MPB. Felizmente, o fenômeno não virou abóbora à meia-noite. Virgínia chega ao terceiro CD, Mares Profundos, coroada pelo sucesso no Exterior – embora ainda seja desconhecida em sua terra natal. Borralheiras não fazem milagre em casa.
Lançado em janeiro nos Estados Unidos, Mares Profundos chega ao Brasil nesta semana, com edição simultânea na Europa. O selo do álbum é o prestigioso Edge, da gravadora alemã Deutsche Grammophon, a mais tradicional da música erudita. A produção, claro, é de Caetano. O repertório é venerável: 11 afro-sambas compostos entre 1962 e 1966 pelo violonista Baden Powell (1937-2000) e pelo poeta Vinícius de Moraes (1913-1980). O programa fecha com o samba ‘Lapinha’ (Baden-Paulo César Pinheiro).
O CD apresenta uma evolução em relação aos primeiros trabalhos – Sol Negro (1997) e Nós (2000), ambos com boa recepção da crítica, mas marcados por certo exibicionismo endereçado a estrangeiros. Virgínia agora atinge a maturidade. Abandona floreios e indecisões para abraçar a técnica erudita. Seu disco pode ser ouvido como homenagem aos afro-sambas e profissão de fé na interpretação clássica. Ela inova ao abordar os sambas como crossover, o encontro do popular com o erudito. Isso num ano em que o mercado clássico murcha. A cantora tenta salvar a música erudita pelo samba. Obviamente, não consegue, mas produziu um belo álbum.
Acompanhada por um grupo de câmara em que estão presentes violão e percussão brasileiros, ela dá conta das composições. Sua voz de meio-soprano é precisa, e mergulha nas modulações e no conteúdo dos versos. Falta-lhe, talvez, uma dose maior de espontaneidade. Em muitos momentos ela soa como cantora de coral. Mas seu estilo não destoa do toque erudito que Baden e Vinícius imprimiram aos afro-sambas escritos sob o impacto do candomblé. A coleção põe em fusão bossa nova, jazz e atabaques. Essas músicas marcaram a MPB dos anos 60. Foi então que ‘Canto de Ossanha’ e ‘Berimbau’ se consagraram na voz de Elis Regina. Na de Virgínia, tornam-se árias delicadas, dignas de palcos de ópera e altares.
É um repertório difícil. Baden, com seu timbre de corda estalada, gravou-o mal no fim da carreira, e Mônica Salmaso iniciou a sua em 1995 enfrentando a coleção em alto estilo. A cantora baiana arriscou outro rumo, revelando a dimensão sagrada dos afro-sambas. Mantém o encanto que exibia nos tempos de principiante, sem deixar de ampliar seus horizontes, do pop ao clássico. E não poderia prestar homenagem mais apropriada a uma das bíblias da canção brasileira.

Fonte: Revista Época

Agradecimentos ao Blog Compartilhe Candomblé MP3

sol-negro.jpgVirgínia Rodrigues – SOL NEGRO (1997)

Faixas:

01 Verônica (Folclore)
02 Noite de temporal (Dorival Caymmi)
03 Negrume da noite (Paulinho do Reco – Cuimba)
04 Lua, lua, lua, lua (Caetano Veloso)
05 Adeus, batucada (Synval Silva)
06 Nobreza (Djavan)
07 Sol negro (Caetano Veloso)
08 Terra seca (Ary Barroso)
09 Manhã de carnaval (Antônio Maria – Luiz Bonfá)
10 I wanna be readt (American Spiritual)
11 Querubim (Carlinhos Brown)
12 Israfel (Edgar Allan Poe – Zuarte)

Som Negro para você!
nos_virginiarodrigues.jpgVirgínia Rodrigues – NÓS (2000)

Faixas:

01 Canto para Exú (Folclore)
02 Uma história de Ifá (Ythamar Tropicália – Rey Zulu)
03 Salvador não inerte (Bobôco – Beto Jamaica)
04 Afrekêtê (Edil Pacheco – Paulo César Pinheiro)
05 Jeito faceiro (Jaupery – Pierre Onassis)
06 Depois que o Ilê passar (Miltão)
• Ilê é ímpar (ALuizio Meneses-Alberto Pitta)
07 Ojú Obá (Edil Pacheco – Paulo César Pinheiro)
08 Raça negra (Walmir – Gibi)
09 Deus do fogo e da justiça (Oswaldo)
• Deusa do ébano (Geraldo Lima)
10 Malê de Balê (Edil Pacheco – Paulo César Pinheiro)
11 Mimar você Gilson Babilônia – Alain Tavares)
12 Reino de Daomé (Tonho Matéria)

Som Negro para você!

mares-profundos.jpgVirgínia Rodrigues – MARES PROFUNDOS

Faixas:

01. Canto de Pedra Preta (Black Rock’s Song)
02. Tristeza E Solidão (Sadness and Solitude)
03. Bocochê
04. Tempo de Amor (The Time of Love)
05. Canto de Iemanjá (Song of Yemanja)
06. Labareda (Burning Flame)
07. Canto de Xangô (Song of Shango)
08. Canto de Ossanha (Song of Ossain)
09. Lapinha
10. Consolação (Consolation)
11. Berimbau
12. Lamento de Exu

Som Negro para você!