Category: África do Sul (South Africa)


Lucky Philip Dube foi um cantor de reggae sul-africano.
Gravou 22 álbuns em zulu, inglês e africâner em um período de vinte e cinco anos de carreira e foi o artista sul-africano que mais vendeu disco na história do reggae.
Dube foi assassinado em Rosettenville, subúrbio de Johannesburgo, na noite de 18 de outubro de 2007.

Lucky Dube nasceu em Ermelo, anteriormente chamada de Eastern Transvaal, e agora de Mpumalanga, em 3 de agosto de 1964. Seus pais separam-se antes de seu nascimento e ele foi renegado pela sua mãe, Sarah, sua avó materna o batizou de Lucky (Sortudo em inglês), porque ela considera seu nascimento sorte. Juntamente com seus dois irmãos, Thandi e Patrick, Dube passou grande parte de sua infância com sua avó, enquanto sua mãe mudou-se para trabalhar. Em 1999 uma entrevista, revelou que sua avó foi descrita como “o amor maior”, e que “fez muitas coisas para tornar esta pessoa responsável que sou hoje.”

Na infância, Dube trabalhou como jardineiro, mas, percebendo que ele não estava ganhando o suficiente para alimentar a sua família, ele começou a frequentar a escola. Lá ele juntou um coro e, com alguns amigos, formou seu primeiro conjunto musical, chamado The Band Air Route. Enquanto na escola, ele descobriu o movimento Rastafari. Na idade de 18, Dube juntou seu primo a banda, O Love Brothers, tocando música pop conhecido como Zulu mbaqanga enquanto o financiamento para a sua vida pelo trabalho Hole e Cooke como um guarda de segurança no carro leilões em Midrand. A banda assinou com a Record Teal Companhia, sob Richard Siluma (Teal foi mais tarde incorporada Gallo Record Company). Embora Dube estava ainda na escola, a banda material gravado em Joanesburgo, durante a sua férias escolares. A resultante álbum foi lançado sob o nome de Lucky Dube e os Supersoul. O segundo álbum foi libertado pouco tempo depois e, desta vez Dube escrevi algumas das letras, além de cantar. Foi nesta mesma época que ele começou a aprender Inglês.

Sobre o lançamento de seu quinto álbum, Mbaqanga, Dave Segal (que se tornou engenheiro de som de Dube) incentivou-o a largar o “Supersoul”. Todos os álbuns foram gravados posteriores como Lucky Dube. Neste momento Dube começou a notar que os fãs estavam respondendo positivamente a algumas canções durante os concertos ao vivo. Inspirado em Jimmy Cliff e Peter Tosh, ele sentiu que o contexto sócio-político mensagens associadas com o reggae jamaicano foram relevantes para uma audiência em uma sociedade Sul-Africana racista.
Ele decidiu tentar o novo gênero musical e, em 1984, lançou o mini-álbum “Rastas Never Die”. O registro vendeu pouco – cerca de 4.000 unidades – em comparação com as 30.000 unidades vendidas com o “mbaqanga”. Keen para suprimir o activismo anti-apartheid, o regime proibiu o álbum em 1985. No entanto, ele não foi desencorajado e continuou a realizar shows de reggae ao vivo e escreveu e produziu um segundo álbum, “Think About The Children (1985)”. Atingiu disco de platina e estabeleceu-se como um artista popular na África do Sul, além de atrair a atenção fora da sua pátria.

Dube continuou a introdução bem sucedida comercialmente álbuns. Em 1989 ele ganhou quatro Prêmios OKTV para Prisoner, Captured Live ganhou outra para o ano seguinte e ainda outras duas para a Câmara de exílio no ano seguinte. Seu álbum 1993, as vítimas mais de um milhão de cópias vendidas no mundo todo. Em 1995 ele ganhou um contrato com a Motown gravação mundial. Seu álbum Trindade foi o primeiro lançamento em Tabu Motown Records depois da aquisição do rótulo.
Em 1996, ele lançou um álbum compilação, Serious Reggae Business, que levou com ele a ser chamado de “Best Selling Recording Artista Africano” no World Music Awards e do “Artista Internacional do Ano”, no Gana Music Awards. Seus próximos três álbuns cada venceu Sul Africano Music Awards. Seu mais recente álbum, Respeito, ganhou uma versão europeia através de um acordo com a Warner Music. Dube turnê internacional, a partilha de fases com artistas como Sinéad O’Connor, Peter Gabriel e Sting. Ele apareceu no 1991 Reggae Sunsplash (exclusivamente nesse ano, foi convidado para voltar ao palco 25 minutos um longo encore) e 2005 o evento Live 8, em Joanesburgo.
Além do desempenho música Dube foi outrora um ator, aparecendo nos filmes voz na escuridão, Getting Lucky e Lucky Strikes Back.

Em 18 de outubro de 2007, Dube foi assassinado no subúrbio de Joanesburgo, em Rosettenville logo após ter largado dois dos seus sete filhos e seu tio em suas casas. Dube estava dirigindo seu Chrysler 300C, que os assaltantes perseguiram. Os relatórios da polícia sugerem que ele foi morto a tiros pelos carjackers. Cinco homens foram presos com ligação comn o assassinato. Três homens foram julgados e considerados culpados, em 31 de março de 2009, dois dos homens tentaram fugir e foram capturados. Os homens foram condenados á prisão perpétua.
Ele deixou sua esposa, Zanele, e sete filhos.

Som Negro para você!

Rasta Never Dies – 1984
1. Rastas Never Die
2. Fresh Air
3. I Love You
4. Reggae Man

the-very-best-ladysmith-black-mambazo.jpgO cd Very Best of Ladysmith Black Mabazo – Rain, Rain, Beautiful Rain é um album duplo, com várias faixas gravadas no estilo a capella, pelo grupo Ladysmith Black Mambazo da África do Sul. Foi gravado na Inglaterra em novembro 2004, para coincidir com a excursão do grupo ao Reino Unido naquela época. O álbum contem muitas canções bem conhecidas do grupo, principalmente dos anos 80 até versões recentemente gravadas (e algumas trilhas dos anos 70), como o “Homeless” (conhecida aqui no Brasil como tema de abertura da fantástica minissérie Raízes, exibida no SBT nos anos 80, de autoria do líder do Mambazo, Joseph Shabalala e Paul Simon), “Nomathemba”, e muito mais.

Disco: 1

01. Rain rain Beautiful Rain
02. How long ….
03. Inkanyezi Nezazi
04. Swing Low Sweet Chariot
05. Nkosi Sikel’l – Africa Shosholoza
06. Hello My Baby
07. Knockin On Heavens Door
08. Music Knows No Boundaries
09. Sisesiqhingini
10. Wenza ngani
11. Homeless
12. Halala South Africa
13. Isimanga Salomhlaba
14. Dlondlobala njalo – remix
15. Amazing Grace
16. Silent Night

Disco: 2

01. Diamonds On The Soles Of Her Shoes
02. Mbube
03. Qed’usizi
04. New York City
05. Aint No Sunshine
06. Iningi liyabon Ububende
07. Udidekil’umhlaba
08. Because I Love You
09. Lifiklie Ivangeli – The Gospel has arrived
10. Chain Gang
11. Oh Happy Day
12. Abezizwa – remix
13. Isamanga Sikathewane
14. Black is Beautiful
15. Halleluya
16. Nomathemba

Som Negro para você!

south-african-legends.jpgUm tributo retrospectivo aos artistas de um dos países mais influentes no mundo da música.
Da África do Sul, um dos países com maior influência no mundo da música, saíram algumas das figuras mais importantes da música popular do nosso tempo. Desde os êxitos internacionais de Miriam Makeba e Hugh Masekela na década de 60 até os impactantes trabalhos de Juluka e Paul Simon com Ladysmith Black Mambazo nos anos 80, a música sul africana tem levado a milhões de pessoas a conhecer os sons do mundo.
South African Legends é um olhar retrospectivo ao trabalho de artistas que são famosos em seu país e no exterior, e mais, alguns deles já são lendas mundiais. South African Legends é também um tributo a um país cuja história política e social nos ensinou a importância da perseverança na luta o triunfo da justiça social. Este trabalho resgata o valor de uma terra onde a alegría e a música tem servido de inspiração e alívio para milhões de pessoas que lutam por uma vida melhor.

Faixas:

1. Soul Brothers – Idlozi
2. Mahlathini & The Mahotella Queens – Mbaqanga
3. Vusi Mahlasela – Kuyobanjani Na?
4. Mahotella Queens – Mbube
5. West Nkosi – Mazuzu
6. Hugh Masekela – Chileshe
7. Lucky Dube – My Game
8. Johnny Clegg & Juluka – Gijim’beke
9. Miriam Makeba – Unhome
10. Ladysmith Black Mambazo – Abantwana Basethempeleni

Som Negro para você!

african-groove1.jpgA tecnologia une-se aos ritmos tribais nesta fusão da música africana dance, eletrônica, hip-hop e funk.

O cd African Groove é uma coleão de músicas africanas que ressaltam as maneiras que o som moderno se fundiu com as tradições africanas. African Groove apresenta músicos africanos que experimentam com o hip-hop, os remixes e a programacão eletrônica como assim também artistas internacionais da música tecno que têm utilizado ritmos e estilos da África como inspiracão da música que marca tendências nas discotecas.

Faixas:

1. Issa Bagayogo  Saye Mogo Bana • (Mali)
2. Badenya  Boroto • (Burkina Faso)
3. Madeka  Mokote • (Ivory Coast)
4. Julien Jacob  Kalicom • (Benin)
5. A Peace of Ebony  Vadzimu • (Zimbabwe)
6. Hardstone  Uhiki • (Kenya)
7. Positive Black Soul  Wouyouma • (Senegal)
8. Dady Mimbo  Bouba (Cool) • (Cameroon)
9. Thievery Corporation  The Lagos Communique • (USA)
10. The Pleb  One for Senegal • (Italy/Senegal)
11. African Rhythm Travellers  Khululuma • (South Africa)
12. Ndumiso  Mofolo Hall • (South Africa)

Som Negro para você!

o-poder-de-um-jovem-trilha-sonora1.jpgRealizado em 1992, o filme O Poder de um Jovem é uma adaptação do livro de Bryce Courtenay. Hans Zimmer com o músico e compositor africano Lebo M uniram-se para criar as músicas do filme e o resultado é uma das melhores trilhas sonoras originais já feitas com a participação de Zimmer, rendendo-lhe, dois anos mais tarde, um convite para compor a trilha sonora original de O Rei Leão, da Disney.
Como o filme se passa na África do Sul, as músicas são cantadas inteiramente por um coral formado por africanos e por vocalistas solo, com percussão, instrumentos de sopro e com alguns eletrônicos. Os fãs da trilha sonora de O Rei Leão, especialmente as músicas cantadas por corais, se encantarão provavelmente com as faixas deste cd. Destaque para as faixas “The Rainmaker” and “Mother Africa (Reprise)”, melodias simplesmente maravilhosas. “Of Death & Dying” é incrível, emocionante, com o coral, flautas e vozes solo.
O cd inclui ainda algumas belas canções africanas tradicionais. Enfim, um cd excelente.


Faixas:

1. The Rainmaker
2. Mother Africa
3. Of Death And Dying
4. Limpopo River Song – Bulawayo Church Choir
5. The Power Of One – Teddy Pendergrass
6. Woza Mfana
7. Southland Concerto – J. Clegg
8. Senzenina – J. Clegg
9. Penny Whistle Song
10. The Funeral Song – Bulawayo Church Choir
11. Wangal Unozipho – Bulawayo Church Choir
12. Mother Africa (Reprise)

Som Negro para você!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 35 outros seguidores